Magic Forest and the Enchanted Cherry Tree

15 junho 2017

Olá! Antes de mais nada, tenho que explicar do que se trata o texto abaixo. Vi uma imagem de uma cerejeira com a fala da última linha (abaixo) e acabei pensando em criar uma história com um enredo que me levaria até ela, e deu nisso, é claro que não terminei, como podem observar, mesmo assim achei um desperdício não compartilha-la por aqui.
Estava perdida, comecei a perceber que andava em círculos, então parei. Olhei ao redor, e então segui em frente, com cuidado para não parar no mesmo lugar. Gravei a roseira, a árvore com casco quebrado e um banco coberto de heras quase por completo. Talvez se Gisella estivesse aqui ela podia ter nos levado ao caminho certo, ela sempre fora a mais inteligente de nós duas, lia mais livros de aventura do que eu e com certeza saberia o que poderíamos fazer nessa hora, nós acreditávamos nos livros, é um costume de nossos antepassados.

Uma brisa fria acariciou meu rosto, olhei para o alto das árvores, e pelo sol já podia ver que estava no meio da tarde, se eu me demorasse mais um pouco teria de dormir na floresta, e uma coisa que todos nós sabíamos, é que em hipótese alguma é recomendável passar a noite nessa floresta, dizem que ela ganha vida e se vinga daqueles que maltrataram sua terra, suas plantas e flores.

Parei diante de um amontoado de galhos secos que estavam bem no meio do caminho, impedindo a minha passagem, não lembrava de ter passado por ali antes, resgatei um canivete da minha bolsa e comecei com muita relutância a tentar quebrar os galhos, como não deu certo, tentei quebrá-los com a força mísera de meus braços, felizmente os galhos se quebraram e eu comecei a passar por entre os quebrados. Havia uma luz diferente de cor e intensidade a minha frente vinda do céu, o sol estava mais alto e aquela floresta era menos assustadora que a anterior, a que eu estava a minutos atrás, ou a frente. Eu sabia que já não estava mais em Belladona, mas onde estava naquele momento?



O mapa não amostrava aquele lugar, estava definitivamente mais que perdida naquele momento e com mais calor também. Havia tantas flores ali, flores que não podiam florescer naquele tipo de terreno, peônias, girassóis, várias e várias roseiras, e até um pé de liatris. Comecei a acelerar o passo, então percebi que aquela floresta não parecia nada abandonada em comparação a outra, a grama estava em seu perfeito tamanho, aparada e verdinha, havia gotículas de água em cada planta, até nas folhas das árvores, mas se estivesse chovido eu teria escutado o barulho de onde estava já que era perto.

Me deparei a certo caminho com uma cerejeira, não havia vento ali mas ela balançava assim mesmo, dançante, e então, como se eu já não estivesse delirante o suficiente, pude apostar que ouvi-la sussurrar para mim:
— Você por acaso viu meu anjo?

É isso pessoal, até!
Abraços.

2 comentários, comente também!

  1. Termina a história *O* to curiosaaaaaaaa <3
    Amei o gif da cerejeira! O nome de uma das minhas gatinhas é Sakura por causa da árvore *-*

    Vi que você está lendo Anne Rice <3

    Com amor,
    Bruna Morgan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se ela tem futuro, Bruna </3 Mas vou pensar na possibilidade...

      Também amei, é lindo né?
      Abraços,
      Bia

      Excluir

Ps. Marque a caixinha "notifique-me" para saber quando respondi seu comentário (:

"Existem coisas melhores adiante do que qualquer outra que deixamos para trás".
- C.S. Lewis


Sobre posts que abram opiniões, respeite as dos outros sempre.
Spam ou comentários com intuito de divulgação não serão aprovados.
Se não está satisfeito com algo do post ou do blog, faça uma crítica construtiva.
Não se esqueça de deixar o endereço do seu blog no final do seu comentário para eu visitar!

Desenvolvido com ♡ por Beatriz Carvalho
Powered by Blogger.